READING

Outubro grego contra o câncer de mama

Outubro grego contra o câncer de mama

Francesca Alzati é Hera. Na mitologia grega, é a deusa das bodas, da maternidade, do céu e das esposas, equivalente a Juno no mito romano. Irmã e esposa de Zeus, é a rainha dos deuses, e guardiã da fidelidade conjugal. Retratada como majestosa e solene, muitas vezes coroada com polos (uma coroa alta cilíndrica usada por várias deusas), Hera é geralmente representada ostentando na mão uma romã, símbolo da fertilidade, sangue e morte, e substituto das cápsulas da papoula de ópio. A vaca e o pavão eram seus principais animais simbólicos. Íris era a sua fiel atendente, também mensageira e aia. Como guardiã do matrimônio, odiava adúlteros e, por isso, não raro era invocada por seus devotos para castigar cônjuges infiéis.

 

Sete mulheres convidadas para personificar sete deusas, com o objetivo de valorizar a imagem feminina que é tão presente no universo da arquitetura, da decoração e do design. A ideia de Francesca Alzati, da By Kamy, surgiu para ser mais um elemento na conscientização contra o câncer de mama, que ganhou o mês de outubro como vitrine.

 

bf7c8afa-d214-4956-bb0c-44bb2af26c65-baixa

Natalie Alves é Perséfone. Na mitologia grega, é a deusa das ervas, flores, frutos e perfumes. É filha de Zeus e sua irmã Deméter, a deusa da agricultura e estações do ano. Criada no Olimpo, lar da nobreza divina, Perséfone foi sequestrada por seu tio Hades, mudando-se para o mundo inferior. Socorrida por seu meio-irmão Hermes, Perséfone passou a morar metade do ano no Olimpo nas estações primavera e verão, e outra no mundo dos mortos, nas estações de outono e inverno, quando era chamada de Cora (Koré) pelos demais deuses crônicos. A ela eram consagrados os chás de plantas como alecrim e sálvia, além das abelhas e do mel.

“Representar esse ser sublime através das deusas gregas, as primeiras figuras de mulheres extremamente fortes, cada uma a sua maneira, com habilidades, belezas e qualidades diferentes, nos leva a pensar o quanto somos especiais por conviver com verdadeiras “Deusas”. Estamos rodeados de mulheres incríveis, que com essência e individualidade tornam o mundo mais belo e com um toque extraordinário”, conta Francesca Alzati, diretora da By Kamy e uma das mulheres escolhidas.

29cb9623-1ece-4849-b649-26175614c1aa-baixa

Márcia Carini é Íris. Na mitologia grega, filha de Taumas e Electra. Taumas era filho de Ponto e de Gaia, Electra era uma das oceânides, as filhas de Oceano e Tétis. Íris é casada com Zéfiro. Suas irmãs eram Arce e as harpias Aelo, Celeno e Ocípite. Íris era a personificação do arco-íris e mensageira dos deuses. Como o arco-íris para unir a Terra e o céu. Íris é a mensageira dos deuses para os seres humanos; neste contexto ela é frequentemente mencionada na Ilíada, mas jamais na Odisseia, onde Hermes toma seu lugar. Íris é representada como uma virgem com asas de ouro, que se move com a leveza do vento de um lado para outro do mundo, nas profundezas dos oceanos e no mundo subterrâneo (Hades).

 

O Instituto Quimioterapia e Beleza, de Flávia Flores (www.quimioterapiaebeleza.com.br), também fez uma importante participação na abertura do evento a favor da causa. Foram arrecadados lenços para serem doados a mulheres que passaram pelo processo de quimioterapia e precisam manter ou recuperar a auto-estima.

311c25fa-d5ee-4211-8b54-3a542788a8f4-baixa

Claudia Spina é Deméter ou Demetra. Deusa grega da agricultura, filha de Cronos e Reia . É a deusa da terra cultivada, das colheitas e das estações do ano. É propiciadora do trigo, planta símbolo da civilização. Na qualidade de deusa da agricultura, fez várias e longas viagens com Dionísio ensinando os homens a cuidarem da terra e das plantações. Em Roma, era chamada Ceres e a cada primavera tinha um festival celebrado em sua homenagem chamado Cereália. Conhecida como Deusa da sabedoria e da vitória, é prática, desinibida e segura.

Acompanhe mais fotos e vídeos do making of das deusas.

 

BY KAMY
www.bykamy.com.br

 

 

 

de6dabaf-7b14-417b-9ad1-0a36d0872bcf-baixa

Mônica Novaes é Gaia, Geia ou Gé. É a Mãe-Terra, o elemento primordial e latente de uma potencialidade geradora incrível: Mar, Céu e Ar. Segundo Hesíodo, no princípio surge o Caos (o vazio) e dele nascem Gaia, Tártaro (o abismo), Eros (o amor), Érebo (as trevas) e Nix (a noite). Gaia gerou sozinha Urano (o Céu), Ponto (o mar) e as Óreas (as montanhas). Ela gerou Urano, seu igual, com o desejo de ter alguém que a cobrisse completamente, e para que houvesse um lar eterno para os deuses “bem-aventurados”. Gaia produziu uma planta que ao ser comida poderia dar imortalidade aos gigantes; todavia a planta necessitava de luz para crescer.

 

2b676b3a-289d-415f-b517-bac53c06126f-baixa

Eloisa Arasanz Salinas é Atena, também conhecida como Palas Atena. Na mitologia grega é a deusa da civilização, da sabedoria, da estratégia em batalha, das artes, da justiça e da habilidade. Uma das principais divindades do panteão grego e um dos doze deuses olímpicos. Atena recebeu culto em toda a Grécia Antiga e em toda a sua área de influência, desde as colônias gregas da Ásia Menor até as da Península Ibérica e norte da África. Foi uma das deusas mais representadas na arte grega e sua simbologia exerceu profunda influência sobre o pensamento grego, em especial nos conceitos relativos à justiça, à sabedoria e à função civilizadora da cultura e das artes, cujos reflexos são perceptíveis até nos dias de hoje em todo o ocidente.

 

 

c728e7e6-62be-4696-8292-f0167bee9b41-baixa

Guiga Barbieri é Afrodite. A deusa do amor, da beleza e da sexualidade na antiga religião grega. Responsável pela perpetuação da vida, prazer e alegria. Durante o período de Platão, os gregos haviam solucionado e afirmado que Afrodite tem dois aspectos diferentes, sem individualizar o culto. A primeira, Afrodite Urânia, seria a Afrodite celeste, do amor divino e homossexual. A filha de Zeus seria a Afrodite do amor comum, do povo, denominada Afrodite Pandemos de onde emanava o amor físico e desejos lascivos. Afrodite, juntamente com Apolo, representa o ideal de beleza dos gregos antigos. Ela foi constantemente reproduzida nas Artes, da Antiguidade à Idade Contemporânea, dada a oportunidade dos artistas imaginarem uma beleza divina. Nos dias atuais, seu mito continua exercendo influência na cultura e muitas vertentes do neopaganismo voltaram a lhe prestar culto.


O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

INSTAGRAM
PINTEREST